sábado, 12 de fevereiro de 2011

Tenho vontade.

Postado por Aline Theodoro. às 09:31
Quando queremos muito, não temos nada. 




Amor, é uma palavra com muitas definições, ou até mesmo uma palavra que não tem sentido. Fico procurando adjetivos pra ela, mas nunca consigo, pois às vezes penso que só sentindo(o amor) na pele, na alma pra ter o direito de definir. 


Já fiquei desesperada em sentir o sabor. Às vezes penso que tem sua hora pra acontecer. Mas o meu maior medo é que eu seja fria, pelo fato de pessoas esbanjarem dos significados da palavras, fazendo-me ficar completamente confusa não sabendo se o erro está em mim ou na extensão temporária. É triste e vergonhoso eu ter que admitir que não sei o que é, não sei como doí, não sei como pode ser lindo e encantado e não sei o sabor do lirismo. 


Por mais que isso tenha me perturbado muito, eu não estou tão inquieta com isso agora. As melhores coisas vêm sem serem esperadas. E, naturalmente, não estou esperando por nada. Estou desfrutando de outros sentidos que o mundo pode oferecer. Enquanto não posso sentir eros, sinto suficientemente philia e ágape




* eros = amor carnal (homem e mulher)
* ágape = amor incondicional ( Deus e seus filhos)
* philia = amizade (amor entre irmão)

2 Filosofadas legais.:

Igor Pedroso on 13 de fevereiro de 2011 18:31 disse...

Estou na mesmo situação que você, nunca senti o amor e nem espero alguma coisa dele. haha
Parabéns, é belíssimo. :)

Aline Theodoro. on 14 de fevereiro de 2011 09:22 disse...

Pois é, se for pra desfrutar, um dia virá.
Obrigada, fofo.

Postar um comentário

 

Meu arroto filosófico Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos